Mundo

Em qualquer cidade que alguém visite em Minas Gerais uma característica comum e marcante – porque agrada paladares de todo tipo – é a mesa farta de comidas típicas. As famosas combinações do pão de queijo com café, da goiabada com queijo, os doces de frutas e de leite, as geleias e as receitas “de quintal” – frango caipira com quiabo, taioba, ora-pro-nóbis, couve com angu, torresmo, entre outras – são infalíveis: água na boca na certa.Com o objetivo de projetar para além das nossas fronteiras nacionais, de forma consistente, esse traço indissociável da identidade cultural de Minas, a Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior de Minas Gerais (Indi) vem realizando missões no exterior, que têm o intuito de exportar a gastronomia mineira.A diretora-presidente do Indi, Cristiane Amaral Serpa, explica o mecanismo de atuação da Agência nesse sentido. “A gastronomia de Minas Gerais dispensa introdução. Mas a cadeia produtiva por trás dos nossos sabores é uma fonte de emprego, renda e orgulho para todos os mineiros. E, por isso, seguindo sua missão de promover negócios, o Inid vem atuando na divulgação da gastronomia de Minas Gerais e do seu potencial exportador”, diz.