Polícia

Uma espécie de ‘pool de traficantes’ de diferentes estados do Brasil, incluindo o Rio de Janeiro, se juntou para trazer ao país o arsenal apreendido, no sábado (3), em Buenos Aires e em mais três cidades argentinas.A suspeita é de agentes argentinos e americanos que investigam o caso e já iniciaram a troca de informações com policiais federais brasileiros.Dentre as 620 armas apreendidas, há um armamento sofisticado, comum nas mãos dos traficantes cariocas, como fuzis de calibre AR-15 e AK-47 ou pistolas, de calibre nove milímetros(g1).