Polícia

A dentista presa em Registro, no Vale do Ribeira, interior de São Paulo, suspeita de integrar uma quadrilha que vendia medicamentos ilegais pela internet, negou em depoimento à polícia que conhecia o esquema criminoso.

Dayane Medeiros Boechat, de 23 anos, alegou que havia deixado, de boa fé, receituários carimbados e assinados, mas em branco, aos cuidados da irmã – presa na primeira fase da Operação Eros, no início de novembro -, para que ela comprasse remédios para emagrecer. Para a polícia, a jovem fazia consultoria para o grupo.