Política

Na Câmara, deputados têm aproveitado o fim do atual mandato para aprovar projetos que complicam ainda mais o desequilíbrio das contas públicas. A queda no abismo fiscal continua a ser o principal risco a assombrar o futuro governo Jair Bolsonaro.Foram prorrogados ontem, até 2023, incentivos fiscais ao Norte e Nordeste, medida cujo impacto fiscal é estimado em R$ 9,3 bilhões até 2020. A recém-aprovada renegociação de dívidas de produtores rurais custará até R$ 34 bilhões. O perdão à dívida da Cemig, “jabuti” embutido no projeto de repartição do Pré-sal, R$ 4 bilhões.