Giro Rural
Vinte e uma Escolas Família Agrícola – EFAs – que são escolas comunitárias e funcionam no Estado de MG,  atendem a  2.546 alunos  da zona rural de cerca de 250  municípios, correm sérios riscos na continuidade do seu funcionamento, a partir de 2019. Existe uma legislação estadual e federal que garante a essas escolas o direito de receberem  um valor per capita. Em Minas Gerais este Programa de Apoio às Escolas Família Agrícola começou em 2005 e vem funcionando sem maiores problemas até 2016. Em 2017 o Governo Pimentel pagou apenas uma das duas parcelas anuais que a legislação dá direito às associações mantenedoras dessas EFAs. Lideranças e representantes destas escolas têm feito audiências e reuniões  na tentativa de agilizar a efetivação destes pagamentos por parte do governo. Em 2018 houve acordo de pagamento da segunda parcela de 2017 acontecer em abril/18, depois passou para maio, setembro e até hoje, não foi feito o pagamento.

As escolas encontram sérias dificuldades de honrarem com os compromissos, trabalhistas, fiscais e fornecedores, sendo que a maioria não consegue quitar os pagamentos referentes a 2018, comprometendo o início das atividades em 2019.
Encontra-se em Belo Horizonte, uma comissão de representantes destas escolas  aguardando que integrantes do governo os recebam para definirem sobre esta questão, mas até o momento,  o governo não os recebeu, nem deu retorno sobre a situação.
Existe um clima de frustração de todo o público das EFAs e especialmente das lideranças que aguardam para ter um diálogo e resolução desse impasse. A comissão continua aguardando ser recebida pelo Pimentel.