Política

Um dia após a eleição da nova mesa diretora da Câmara Municipal de Belo Horizonte, em que a vereadora Nely Aquino (PRTB) saiu vitoriosa, o clima no plenário repetiu o calor que fez nesta quinta-feira na capital. Gritos, trocas de acusações, insinuações e ameaças de processo deram o tom da reunião de hoje. Por fim, sem nada votar, os parlamentares encerraram a sessão por falta de quórum. A reunião desta quinta-feira foi marcada por reclamações, principalmente, do prefeito Alexandre Kalil (PHS), que criticou os parlamentares, principalmente os que não se posicionaram favoravelmente à eleição de Nely. Ontem, durante a votação vários vereadores se queixaram da interferência do prefeito na escolha da presidência da Casa. Mas o caldo entornou de vez quando o vereador Gilson Reis (PCdoB) afirmou que colegas teriam recebido de Kalil a promessa de vantagens na execução de obras, cerca de R$ 2 milhões. Ele pediu que o prefeito renunciasse ao cargo conforme havia afirmado em entrevista.