Nossa Gente

Com um cartaz nas mãos e sentado em um banco onde havia a inscrição “empatia”, um homem chama a atenção de quem passa pela Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto (SP). Educador físico e pós-graduado, o paraense Victor Oliveira, de 27 anos, pede uma oportunidade de trabalho.

“Como todo trabalhador brasileiro, quero sobreviver. Infelizmente, me sinto frustrado em saber como a educação está desvalorizada, porque a minha condição é mesma da educação. Pode faltar professor em escola, mas não há vaga suficiente para a demanda”, desabafa ( Fonte : G1 ).