Saúde em Foco
As estatísticas mostram que a codependência é um problema com ordem de grandeza de muitas casas decimais. Considerando uma população de pelo menos 304 mil pessoas abusadoras ou dependentes de álcool em Belo Horizonte, segundo a pesquisa Conhecer e Cuidar, feita pelo Centro Regional de Referência (CRR) em Drogas da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), os codependentes ultrapassam os 600 mil, apenas na capital mineira.
Considerando os dados do 3° Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira, divulgado recentemente pela Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), pode-se inferir que a escala da codependência alcança dimensões tão gigantescas quanto o próprio território nacional. Segundo o levantamento, mais da metade dos brasileiros entre 12 e 65 anos declara ter consumido bebida alcoólica alguma vez na vida. Cerca de 46 milhões (30,1%) informaram ter consumido pelo menos uma dose nos 30 dias anteriores à pesquisa e aproximadamente 2,3 milhões de pessoas (1,5% desse grupo etário) apresentaram critérios para dependência de álcool nos 12 meses que antecederam a pesquisa. Para complicar, a substância aparece associada a outras, como o cigarro, drogas ilícitas ou medicamentos sem prescrição, em todas independentemente do nível de instrução de quem a consome.
(Fonte: Uai)