Manhã

Há dois anos perdíamos uma porção contagiante de nossa alegria, um amigo leal, um jornalista pautado pelo humanismo, pelo cuidado com o próximo, um amigo que transformava todo ambiente onde chegava. Dizer que sentimos saudades é pouco. É preciso dizer que há um vazio que jamais será preenchido, há um legado a ser seguido, há uma missão cumprida de forma inspiradora.
Há dois anos nossa telinha se enlutou, nossos campos perderam um camisa 10, nossa cidade perdeu um defensor dos mais necessitados, um jornalista que não se calava diante das injustiças sociais, um parceiro das boas iniciativas. Em primeiro de maio de 2018 o nosso querido Renatinho (Renato Lopes) nos deixou e deixou a nós uma linda história de vida. É preciso lembrar, é preciso ser grato, é preciso se inspirar.

Por: Lílian Derkiê