As Crônicas do Jaccú

AS CRÔNICAS DO JACCÚO JUMENTO PIAU, ÍCONE DA VIDA ÁRDUA, SIMPLES E VALORES CRISTÃOS DO JACÚ

Maria Martins da Costa,, ganhou um grande presente de casamento, o Jumento Piau. Piau eram um jumento avantajado. Ele era do tamanho de um burro mas era jumento. Era jumento mais tinha tamanho de um burro. Piau era o “Rei da Carga”. Ele trabalhava de Segunda a Sábado das cinco da manhã às seis da tarde. Mas, no domingo, piau era Rei.

Dona Maria Martins da Costa, Vó, não deixava ninguém usar o Jumento Piau para trabalhar no domingo. Piau era protegido de Vó. De tanto ver Piau guardar o domingo, chego a pensar que nos tempos antigos do Jacú até o Jumento Piau era Piau era crente.

Antigamente, quando uma pessoa casava alguém dava um jumento de presente para ajudar a noiva na sua caminhada conjugal.  E hoje. Hoje é bem diferente… Mas, apenas para não nos esquecermos, a biografia do Jumento Piau revela a vida árdua, simples e plena de valores cristão do Jacú de Dona Maria (Vó) e seu Sinhô (Vô).

 

As Crônicas do Jaccú

AS CRÔNICAS DO JACCÚ | TIO URICA É O FIM DIFINITIVO PARA OS PROBLEMAS DA SECA NO SERTÃO

AS CRÔNICAS DO JACCÚ | TIO URICA E AS VACAS DE ÓCULOS VERDES. A seca do início dos anos 80 foi cruel. O sertão gemeu por causa do calor. E, por causa do calor o gemido dos animais era intenso. Mas, Tio Urica fazia de tudo para manter o bom humor da “tropa”. Certo dia ele chegou de viagem com a solução definitiva para o problema da “seca”.

–  Papai! Achei a solução definitiva para a seca. Disse Ele. Muito sério.

–  Fala Uriquinha. Disse Vô. Com a paciência que lhe era peculiar.

– Tio Urica foi no caminhão. Trouxe um monte de plástico verde. E falou!

– Vamos fazer óculos verdes para todos os bois e vacas e assim eles vão comer tudo.

– E aí é o fim da seca….

A seca dos anos 80 foi intensa. Mas, o bom humor do Tio Urica venceu a dor da seca. Ele permanece em nossas boas lembranças. Ora, se você achar, por aí, uma vaca usando óculos verdes. Pode ser influência do estilista Jaccú, Tio Urica.

 

As Crônicas do Jaccú

O “BODE RUIM” VEIO PARA MATAR, ROUBAR E DESTRUIR

Mandei uma missiva sabiá para CHIN NUN JUM, o sábio sabiá, que responde as minhas indagações filosóficas sobre a vida. Perguntei em humanês para ele me responder em sabiês.

– Perguntei.

– Como pode uma menina de família matar os país e precipitar a família na absoluta destruição ?

Me referia ao “caso” Suzane Von Richthofen. A menina que matou os pais para “ficar” com a herança.

002

CHIN NUN JUM me mandou uma missiva em sabiês simples, direto e objetivo.

– Conheço o caso e ocaso desta triste história.

– É um dos mais tristes casos da história das famílias de classe econômica, não espiritual, média-alta no mundo dos homens sábios para a economia e cegos para a espiritualidade da vida.

– Apenas lembre-se meu amigo que as tragédias são construídas passo a passo pelo Bode Ruim.

– O Bode Ruim mente para a alma ( liberdade… liberdade… liberdade … Blá… Blá… Blá…)

– O Bode Ruim fala a linguagem DO TRAÍRA DAS TREVAS…. Liberdade é prisão…. Vida boa é vida ruim… prazer e sofrimento… sucesso é fracasso e viver a vida é vendar a alma pro Grande Bode Preto e, morar nos paraísos da corrupção é morar nos chiqueiros do mundo pobre…

– Diga a sua gente para não ouvir as sugestões do Bode Ruim… Pois, no grande livro do Sabiá Maior está escrito que ” … quem ouve as palavras do Bode Mentiroso não terá vida mas provará as amarguras da existência.. “

142

Enfim…. Sigam as pegadas do Grande Cordeiro que leva o homem para as águas da vida. É um conselho de um pequeno sabiá.

CHIN NUN JUN

As Crônicas do Jaccú

A CARPINTARIA DO PÚLPITO DA IGREJA PRESBITERIANA DE IMBURANINHA

A CARPINTARIA DO PÚLPITO DA IGREJA PRESBITERIANA DE IMBURANINHA | O adolescente Pedro Dantas Sobrinho ficou encarregado de fazer o púlpito da nova igreja com madeira de Imburana. Ele fez. Penso que o “velho púlpito” de Imburana pode ainda está lá até os dias de hoje. A IP de Imburaninha floresceu e foi , juntamente com a IP de Betânia, a mãe da Igreja Presbiteriana de Betel, Pombal, Sousa e outras. Só Deus sabe quantas igrejas mais. Henderlite voltou para os Estados Unidos e se tornou célebre pelo seu trabalho missionário como diretor da Missão Norte do Brasil Sertão Nordestino. Herderite foi sócio dos clubes e participante da história do Náutico e do Sport do Recife. Um verdadeiro exemplo de interação social (Fonte Who is Who in América).

As Crônicas do Jaccú

A HISTÓRIA DA ORIGEM, DO NOME, DO LOCAL E DA IGREJA PRESBITERIANA DE INBURANINHA DE SÃO DOMINGOS DE POMBAL

A HISTÓRIA DA ORIGEM, DO NOME, DO LOCAL E DA IGREJA PRESBITERIANA DE INBURANINHA DE SÃO DOMINGOS DE POMBAL | Papa Dantas, o “coronel” do bem, se converteu ao Evangelho pregado segundo o rito presbiteriano. Uma das primeiras providências foi chamar o Rev. Henderlite, de quem ouvira a pregação, para estabelecer, nas suas terras, uma igreja. A casa grande foi a referência. Numa caminhada perto da casa dos Dantas, Rev. Langdon Mosely Herderlite escolheu o local. No local, havia uma pequena árvore. Daí, ele perguntou que árvore era aquela e, Papa Dantas respondeu: ” uma inburaninha”. O Rev. Herderlite escolheu o lugar. A Igreja de Inburaninha tem capacidade para cerca de 250 pessoas está lá até os dias de hoje. Anos depois, Pedro Dantas Sobrinho comprou a Fazenda Açude Velho (Jacú) onde foi morar, após o casamento, com Maria Dantas Martins.

49

As Crônicas do Jaccú

O DIA QUE TIO URICA FEZ OS JUMENTOS “VOAREM”

O DIA QUE “TIO URICA” FEZ OS JUMENTOS “VOAREM” | Episódio 3 | Na década de 60, a construção de açudes era feita por tropeiros. Por tropeiros, entenda-se tropeiros de jumentos e burros. A coisa era organizada. Os jumentos, usando caçoá, daí vem a palavra caçoar (rir) carregavam a terra e pisavam a mesma nas suas andanças, assim os açudes eram construídos. Vô (Pedro Dantas) resolveu construir o Açude Velho que ficava localizado atrás da casa de Tia Adelita. Uma certo dia, a produção estava muito baixa. Vô chamou o tocador da tropa Tio Urica – “Amanhã! Eu quero uma produção melhor” – Sim Senhor respondeu Tio Urica. No dia seguinte, os jumentos “voaram”! A produção foi a maior da história da construção do Açude Velho. Vô preocupado com a saúde dos jumentos – Perguntou – Urica o que foi que você fez com os jumentos para eles correrem tanto? – Nada de “especial” – Eu só achei um formigueiro, pequei as formigas e coloquei nos rabos dos jumentos, aí ele ganharam força e começaram a correr tanto que achei que eles queriam voar… (Coisas do Tio Urica). No Jacú, tio urica era mágico, ele usava a varinha mágica com formiga para fazer os jumentos “voarem.” Portanto, se você ver um jumento voando por aí… pode ter certeza… isso é coisa do Tio Urica.

As Crônicas do Jaccú

A DESCOBERTA DOS BODENINOS
sobre homens, meninos e sabiás

TERRAZZOO é um lugar muito especial. Na verdade, TERRAZZOO é um mundo onde homens e animais se encontram para conversar sobre os grandes temas da vida. Nesse mundo encantado existem muitos personagens. O peregrino é um deles. Em TERRAZZOO além de peregrinos existem muitos sábios sabiás.

Ontem, resolvi dar um passeio por TERRAZZOO. Andei apenas alguns minutos. E, de repente! Encontrei muitos pimpolhos saltitantes. E, para minha alegria, tive um outro encontro inusitado. Encontrei um velho amigo o sábio sabiá CHIN NUN JUN.

– Olá amigo Sabiá.

Disse eu em tom entusiástico.

– Olá amigo peregrino

Respondeu CHIN NUN JUN em tom efusivo.

– Que fazes por estas plagas pequeno ser muito sábio?

Perguntei em tom curioso.

– Vim para uma reunião dos TERRAZZOOS.

Respondeu. Leia mais…

As Crônicas do Jaccú

TIO URICA O “JASSA” DO JACÚ

TIO URICA O “JAÇA” DO JACÚ | Tio Urica era um homem multi-tarefa e cheio de habilidade. Certo dia, passou em um armarinho e comprou um tesoura de costureiro. Foi para o Jaccú exercer a nova profissão – cabeleleiro. Queria ser o Jaça do Jaccú. Para começar, ofereceu corte de cabelo de graça. para a meninada. Foi um sucesso – Joailton, Toninho, Cezar, e outros se oferecem como voluntários. Cortou o cabelo tão bem cortado que os meninos tiveram que ir para Sousa-PB resolver o imbróglio barberal do Jaça do Jaccú. Quando os meninos voltaram estavam todos carecas. Tiveram que raspar as cabeças. Foi risada prá todo lado. Até Piau, o jumento preferido de Vó, relinchou. Vô saiu em defesa dos netos – ” Urica! Da próxima vez vá pentear macaco” – Ele foi passear no zoológico e, olha o que deu ( foto acima).. Fique esperto. A geração mais nova deve ficar atenta. Se aparecer um costureiro exercendo a profissão de cabeleiro com o nome de borracha, fique esperto é um clone do Tio Urica.

As Crônicas do Jaccú

A ESPORA DE OURO DO CORONEL OSÓRIO OLÍMPIO

A ESPORA DE OURO DO CORONEL OSÓRIO OLÍMPIO | Episódio 2 | Os coronéis eram homens que tinham posses. O Coronel Osório Olímpio não era diferente. Mandou fazer uma espora de ouro. Um dia, atravessando São Domingos de Pombal, uma das esporas caiu no caminho e ele não percebeu. Quando chegou em casa na Aba Da Serra, percebeu que havia perdido uma das esporas. De imediato, mandou que um dos seus “cabras” voltasse pelo caminho e procurasse a espora perdida”.

Alguém, da família de Papa Dantas encontrou o objeto precioso. Ele não sabia que pertencia ao Coronel Osório. Quando o mostraram, ele disse – “Levem de volta e coloquem no lugar onde acharam.” Isso tem dono e, o dono, vem procurar. E veio. Na busca, os homens do Coronel Osório acharam nos limites da fazenda de São Domingos a espora perdida. Voltaram e relataram para o Coronel. “Achamos na fazenda de Papa Dantas”. Osório conhecendo onde o objeto fora encontrado disse – “Não estava perdida. Estava guardada”

As Crônicas do Jaccú

A SAGA DE UMA FAMÍLIA DE FÉ | A HISTÓRIA DO EVANGELHO NO ALTO SERTÃO PARAIBANO

006-banner-lateral-15

A SAGA DE UMA FAMÍLIA DE FÉ |  A HISTÓRIA DO EVANGELHO NO ALTO SERTÃO PARAIBANO | Episódio 1 | O sertanejo e, acima de tudo, um bravo ( Euclides da Cunha). A história da família Dantas da Costa, Martins Ferreira e Olímpio Queiroga estão ontologicamente ligadas em um passado secular. Este bravos “sertanejos” dominaram o bravo e inóspito sertão paraibano e, ali, se alojaram nas terras mais secas do solo brasileiro no final do Século XIX.

A estrada de São Domingos de Pombal (hoje São Domingos de Pombal), hoje BR 230, era a divisa natural entre os “dois” sertanejos dos mais respeitados da região. De um lado vivia “Papa” Dantas e, do outro, o Coronel Osório Olímpio de Queiroga.

O Coronel Osório Olímpio de Queiroga construiu a sua “fortaleza” na Aba da Serra e Fazenda do Catolé. Papa Dantas escolheu um lugar chamado São Domingos de Pombal. Os dois se respeitavam muito. E, a região toda, respeitava os dois. Existem muitas história sobre a amizade e respeito de um para com o outro. Quando um mandava alguém da família atravessar as terras do outro, de forma gentil, preparavam água fresca, de pote de barro e, algumas vezes, doce de leite para os transeuntes.

Osório ficou conhecido por enfrentar as forças ferozes de Virgulino Ferreira Lampião e os homens extremamente violentos de Antônio Silvino. Papa “Dantas” não seguiu a tradição dos Dantas encontrou-se “com Jesus” e mudou a sua história da sua descendência. Ora, é sabido que João Dantas assassinou João Pessoas, governador da paraíba, na cidade do Recife ao meio dia, na confeitaria glória. A morte de João Pessoa foi o estopim para a Revolução de 30.

Ainda hoje, as famílias Dantas, Suassuna e Maias possuem diferenças que nunca foram “acertadas”. “Papa” Dantas conheceu o Evangelho e mudou de vida. Um dia ele adotou um sobrinho. Ao sobrinho ele deu o nome de Pedro Dantas da Costa e, ao menino Pedro, ele ensinou o que havia aprendido de melhor. Ao menino Pedro, ele ensinou a arte de lidar com o gado, ovelha, bodes, jumentos, burros, cavalos, porcos e galinhas e a arte de, ferreiro, seleiro, pedreiro, carpinteiro, agricultor, motorista, e outras coisa mais tais quais, caráter, integridade, honra a palavra e, além de tudo isto, como viver de acordo com o Evangelho.

As Crônicas do Jaccú

HISTÓRIA DO PRESBITERIANISMO NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO

11709573_876007439144522_4006789427267487244_n

HISTÓRIA DO PRESBITERIANISMO NO CENTRO-OESTE BRASILÉIRO – IGREJA PRESBITERIANA CENTRAL DE PARACATU – O amor seja sem hipocrisia. Detestai o mal, apegando-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. No zelo, não sejais remissos; sede fervorosos de espírito, servindo ao Senhor; regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes; compartilhai as necessidades dos santos; praticai a hospitalidade; abençoai os que vos perseguem, abençoai e não amaldiçoeis. Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram. Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com o que é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos. Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens; se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens; não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira; porque está escrito: A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor. Pelo contrário, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. Leia mais…

HISTÓRIA DO PRESBITERIANISMO NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO

As Crônicas do Jaccú

FALANDO DE VIDA I TODOS OS DIAS NA TV MINAS BRASIL